MINISTRO JOAQUIM BARBOSA: “Judiciário tem grande responsabilidade pelo aumento da corrupção no país”

23/07. CENAS FORTES, talvez ainda hoje. É que eu tô cansado e com o estômago embrulhado. Passei a semana inteira recolhendo material genético para o exame de DNA da importante peça processual comentada abaixo e lendo velhos e bons jornais Sindjufe (meu/minha amigão/ona de  Itabuna, não sei como lhe agradecer, viu? Se se sentir seguro/a,  mande foto para a página inteira do blog) e e-mails. Prepare-se. Vêm aí cenas fortes.

OBRIGADO!

 20/07-Li a CONTESTAÇÃO do meu órgão de classe (Sindjufe) e, além de besta,  fiquei com a leve sensação de ter visto uma certa confusão entre a pessoa jurídica e a  que a  encaminha.  Tive saudade de dois livros e um artigo:

 “…não discuta para vencer, e sim para buscar a verdade…”.

“…encontre uma saída honrosa para o seu inimigo, sempre!”

… ser fiel a si mesmo; consultar sempre a bússola pessoal e não deixar órfãos os seus próprios sonhos… “

“…preste atenção se o poder é seu ou do cargo…”  

“…vê o mundo e as intrigas de cima…” ;

 “…não tolere aqueles que agem de forma irresponsável em relação a você…” ;

 “…guarde as suas velhas cartas de amor…” 

“…não leia revistas debeleza. A única coisa que elas fazem é mostrar você como uma pessoa feia…”

 “…nunca parecer prepotente com os humildes nem subserviente com os poderosos…” ;

 “…aquele que pratica o bem (…) recebe recompensas inimagináveis. A energia que emana das boas ações e do relacionamento fraterno forma uma aura protetora que imuniza, ampara e eleva…” ;

  “ … pensar sempre nas implicações de meus atos sobre as pessoas…”;

“…curtir o caminho… sem deixar cadáveres na passagem…” ;

“… não existe felicidade sem ética…”

Livro: AH, SE EU SOUBESSE ; resenha: MANUAL PARA RH

… ÉTICA – única prisão de segurança máxima capaz de conter a fera, justamente por ser feita de conceitos e princípios que o próprio preso não aceita atacar…

Esta frase é minha, mas surgiu durante a leitura de  ELOGIO DA SERENIDADE e outros escritos morais (Norberto Bóbio, Editora Unesp, 2000)

título da resenha: É MUITA ONDA

 …a Lei Moral seria uma espécie de vacina que a consciência se auto-inocula contra a torpeza, propiciando um dia-a-dia que ative Deus. Ou gere-O. Logo, não basta persignar-se e rezar para que uma mão invisível mova um apagador sobre um possível rastro de crime. Como sugere o bom-senso, Deus não cai do céu. E sem Ética não é possível alcançá-LO. Só o ato salva e só o ético pode orar, embora não precise, já que os seus atos oram por ele …

SÓ O ATO SALVA e só o ético pode orar

………………………………………………………………………..MINISTRO JOAQUIM BARBOSA: “Judiciário tem grande responsabilidade pelo aumento da corrupção no país”

Em 08/01/2010,  postei a entrevista abaixo do Minsitro Joaquim Barbosa (STF)  em PROTÓGENES CONTRA A CORRUPÇÃO (http://protogenescontraacorrupcao.ning.com/profiles/blogs/ministro-joaquim-barbosa). Trata-se de um ambiente aberto, onde qualquer interessado, em minutos, cria uma página e publica, com senha própria e sem mediação.  Eu continuo tendo um blog lá, que, hoje, até sala de bate papo tem. Democrático, né? Por que será que os sindicatos não o copiam, meu deus? Tão democráticos, tão defensores, inclusive de liberdade… Esse facebookão de esquerda é criação do então famoso delegado da PF e atual deputado federal pelo PCdoB paulista, Protógenes Queiros,  que não quer saber de onde você vem nem para onde vai. Pede, apenas, que se tenha alguma lealdade ao país, para usar uma expressão do saudoso Darcy Ribeiro.

Sim, e por que o repeteco dessa postagem, hoje? Primeiro, porque é uma entrevista que, apesar do seu troar e de quem a troa, não consegui colocá-la no ambiente Sindjufe, na época, embora pedisse. Calma, ainda tava tudo bem e não tinha havido o apagão (GRILAGEM x APAGÃO MORAL).  Na verdade, lá, não consegui colocar nem mesmo LER DEVIA SER PROIBIDO, que conheci no site do DDRH/TRT. E olha que pedi, viu? Segundo, porque foi a primeira coisa interessante que encontrei (nem lembrava mais dela) para salvar a pátria, hoje. Não voltei aos textos. Fui ler a contestação da ação (que abri para recuperar o meu direito de publciação no site da categoria de que sou parte) e… Fiquei pasmo. Demorei a dormir. O sistema é bruto, viu? Vou ter de rebolar um bocado, hoje! Agora, banho pra acabar de acordar e, vupt, trabalho.  Ainda tenho oftalmologista, advogada e inglês… Tá puxado! Mas, vai dar certo. O tempo não é senhor da razão? Pelo menos era o que dizia… quem mesmo? Deu branco.  Voltaire (se não me engano) copiando o companheiro Collor, talvez. Lembra das sua mídia de camiseta?

Tô um caco, fui. Fique com o  Ministro Barbosa, talvez o maior brasileiro do momento (a fonte é o jornal de direita, O Globo, viu?):

“O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), há dois anos ganhou notoriedade por relatar o processo do mensalão do PT e do governo Lula. Em 2009, convenceu os colegas a abrir processo contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) para apurar se ele teve participação no mensalão do PSDB mineiro. Em entrevista ao GLOBO, Joaquim não quis comentar o mensalão do DEM, que estourou recentemente no governo de José Roberto Arruda, do Distrito Federal. Mas deixou clara sua descrença na política e sua dificuldade para escolher bons candidatos quando vai votar. E o ministro, de 55 anos, não poupou nem os tribunais: “O Judiciário tem uma parcela grande de responsabilidade pelo aumento das práticas de corrupção em nosso país”.

Por que aparecem a cada dia mais escândalos envolvendo políticos? A corrupção aumentou ou as investigações estão mais eficientes?
JOAQUIM BARBOSA: Há sim mais investigação, mais transparência na revelação dos atos de corrupção.Hoje é muito difícil que atos de corrupção permaneçam escondidos.

O senhor é descrente da política?

JOAQUIM: Tal como é praticada no Brasil, sim. Porque a impunidade é hoje problema crucial do país. A impunidade no Brasil é planejada, é deliberada.As instituições concebidas para combatê-la são organizadas de forma que elas sejam impotentes, incapazes na prática de ter uma ação eficaz.

A quais instituições o senhor se refere?

JOAQUIM: Falo especialmente dos órgãos cuja ação seria mais competente em termos de combate à corrupção, especialmente do Judiciário. A Polícia e o Ministério Público, não obstante as suas manifestas deficiências e os seus erros e defeitos pontuais, cumprem razoavelmente o seu papel. Porém, o Poder Judiciário tem uma parcela grande de responsabilidade pelo aumento das práticas de corrupção em nosso país. A generalizada sensação de impunidade verificada hoje no Brasil decorre em grande parte de fatores estruturais, mas é também reforçada pela atuação do Poder Judiciário, das suas práticas arcaicas, das suas interpretações lenientes e muitas vezes cúmplices para com os atos de corrupção e, sobretudo, com a sua falta de transparência no processo de tomada de decisões.Para ser minimamente eficaz, o Poder Judiciário brasileiro precisaria ser reinventado.

Qual a opinião do senhor sobre os movimentos sociais no Brasil?

JOAQUIM: Temos um problema cultural sério: a passividade com que a sociedade assiste a práticas chocantes de corrupção. Há tendência a carnavalizar e banalizar práticas que deveriam provocar reação furiosa na população.Infelizmente, no Brasil, às vezes, assistimos à trivialização dessas práticas através de brincadeiras, chacotas, piadas. Tudo isso vem confortar a situação dos corruptos. Basta comparar a reação da sociedade brasileira em relação a certas práticas políticas com a reação em outros países da America Latina. É muito diferente.

Como deviam protestar?

JOAQUIM: Elas deviam externar mais sua indignação. É comum vermos protestos de estudantes diante de escândalos.

JOAQUIM: O papel dos estudantes é muito importante. Mas, paradoxalmente, quando essa indignação vem apenas de estudantes, há uma tendência generalizada de minimizar a importância dessas manifestações.

A elite pensante do país deveria se engajar mais?

JOAQUIM: Sim. Ela deveria abandonar a clivagem ideológica e partidária que guia suas manifestações.

O próximo ano é de eleições. Que conselho daria ao eleitor?

JOAQUIM: Que pense bem, que examine o currículo, o passado, as ações das pessoas em quem vão votar.

Quando o senhor vota, sente dificuldade de escolher candidatos?

JOAQUIM: Em alguns casos, tenho dificuldade. Sou eleitor no Rio de Janeiro.Para deputado federal, não tenho dificuldade, voto há muito tempo no mesmo candidato. Para governador, para prefeito, me sinto às vezes numa saia justa. O leque dos candidatos que se apresenta não preenche os requisitos necessários, na minha opinião. Não raro isso me acontece. Não falo sobre a eleição do ano que vem, porque ainda não conheço os candidatos.

Veja também

XÔ CORRUPÇÃO!

SE ESCOLA FOSSE ESTÁDIO E EDUCAÇÃO FOSSE COPA?

 VOCÊ É SOCIALISTA? TEM CERTEZA? Quer ajuda dos universitários?

 TRÊS RAZÕES e UMA ESCOLA

ÉTICA NÃO É IDEOLOGIA

FALSIDADE IDEOLÓGICA?

EXAME DE CONSCIÊNCIA

A RIQUEZA E A POBREZA DAS NAÇÕES

VOCABULÁRIO DE IDEIAS PASSADAS

CONSELHO DE ÉTICA

O MUNDO IRREAL DE AMANDA GURGEL

O POVO NÃO É BOBO, ABAIXO…

INSENSATO CORAÇÃO

Anúncios
Esse post foi publicado em machadodeachismo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s